Análise de redação: a violência obstetrícia em debate no Brasil

237

Com base na proposta do dia 20 de maio, os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “A violência obstetrícia em debate no Brasil. Leia abaixo uma das redações enviadas e veja, em seguida, a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie.

Tema: A violência obstetrícia em debate no Brasil

De acordo com John Stuart Mill, filósofo britânico, sobre o seu corpo e mente, o ser humano é soberano. Entretanto, nos hospitais brasileiros, tal ideologia não é posta em prática, haja vista a violação da integridade humana, devido à existência da violência obstétrica. Dentro dessa realidade, convém analisar como não só a perda de empatia, mas também a infraestrutura educacional, intensificam a problemática. [1][2]

É importante pontuar, de início, que a educação superior na área da saúde é subfinanciada no Brasil, tendo em vista a carência de hospitais universitários, bem como a falta de professores qualificados. Nesse cenário negligente, a formação íntegra dos estudantes torna-se utópica, o que proporciona à sociedade, por meio do mercado de trabalho, profissionais de saúde incapacitados a suprir demandas sociais. Isso fica evidente quando percebe-se, através dos dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), [3] que o parto cesárea prevalece em detrimento do normal, uma vez que requer menos esforço de quem faz o procedimento, porém, é danoso à mulher, devido à cicatrização delicada, por exemplo.

Além disso, a contemporaneidade é marcada pela falta de empatia, graças ao exacerbado individualismo. Isso ocorreu porque, conforme Zygmunt Bauman, a lógica hipercapitalista subverteu o sentimento empático, o que causou, por consequência, menos afetos nas relações sociais. [4] Para ilustrar, basta verificar o tratamento de saúde pública ofertado às parturientes, pois, de acordo com a revista Veja, 25% das gestantes sofreram violências durante o trabalho de parto, tai [5] como: cirurgia sem anestesia, banho frio e falta de alimentação. Desse modo, o direito à integridade física e mental, assegurado constitucionalmente, é prejudicado.

[6] A vista disso, torna-se necessário reformular as políticas públicas de saúde, a fim de proteger a dignidade da mulher gestante e, com isso, devolver sua soberania. Para tanto, compete ao Ministério da Educação disponibilizar à população um aplicativo útil tanto para mostrar a receita e os gastos envolvendo a educação superior quanto para denunciar instituições que não proporcionam ensino e infraestrutura coerentes com seus gastos. Paralelamente, concerne à sociedade, em parceria com sociólogos, disseminar, por meio de cartazes nos hospitais e debates em escolas, o quão importante é a empatia para uma vida social estável. Por conseguinte, a violência obstétrica cessará na cultura brasileira. [7][8]

Avaliação por competência:

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta:

[5] O correto é: tais.

No texto inteiro, demonstrou excelente domínio da norma culta!

Competência II – Compreender a Proposta:

[1] Boa compreensão da proposta!

Competência III – Selecionar e relacionar argumentos:

[2] Excelente articulação textual!

[3] O uso de dados traz credibilidade ao texto! 

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação:

[4] Para ilustrar o quê? É necessário retomar o termo ilustrado por meio de um recurso coesivo. É possível substituir o trecho por: Prova disso é

[6] É necessário utilizar termos conclusivos para finalizar as ideias, como, por exemplo: em suma, fica claro que, pode-se concluir que, em síntese, entre outros.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema:

[7] Proposta completa! Além de dialogar bem com o desenvolvimento do texto, consegue elencar todos os meios para sua aplicação. Boa reflexão!

[8] Boa conclusão! 

Nota: 960

Fonte: Geekie

Comentários do Facebook